MOSTRA SURURU DE CINEMA ALAGOANO – 2019

Site_head_3

INSCRIÇÕES PARA O LAB DE CRÍTICA 

INSCRIÇÕES PARA VIDEOCLIPES

INSCRIÇÕES PARA A OFICINA DE DES/PROGRAMAÇÃO DE ATORES PARA CINEMA

10 ANOS NARRANDO ALAGOAS

Quando a Mostra Sururu surgiu, em 2009, a produção de conteúdo audiovisual alagoano se restringia a um número tão pequeno de obras lançadas anualmente, que a primeira edição do evento foi construída como uma retrospectiva, um panorama que reuniu trabalhos realizados no decorrer das décadas anteriores.

Um recorte histórico que funcionou como uma afirmação do cinema feito em Alagoas, no passado e no presente, chamando a atenção do público, dos jovens realizadores, e também do poder público para as potencialidades daquela produção.

Os anos que se seguiram foram marcados por uma série de avanços no âmbito nacional, que proporcionaram um inédito desenvolvimento do setor audiovisual brasileiro. Ainda que de forma irregular, os ecos das políticas públicas da Agência Nacional de Cinema – Ancine e do Fundo Setorial do Audiovisual – FSA – especialmente os programas de regionalização da produção – afetaram de maneira profunda a cadeia produtiva do cinema alagoano.

Já a partir de 2010 vieram os primeiros editais para curtas-metragens, que após concluídos foram vistos primeiro na Mostra Sururu antes de circularem por festivais do Brasil e do mundo. A partir daí o que se viu foi uma curva sempre ascendente na quantidade e qualidade desta produção. Cada vez mais conquistas, fronteiras quebradas, prêmios, visibilidade e simpatia do público local e nacional.

O cinema alagoano se tornou um catalisador do capital simbólico, da história e do potencial da economia criativa de Alagoas. Todo esse vibrante movimento teve, desde a primeira hora, a Mostra Sururu como um ponto de convergência, onde a cada ano tem sido apresentado, discutido e celebrado o melhor conteúdo produzido por nossos realizadores.

Uma década se passou e o presente é histórico. 2019 representa um marco na linha do tempo do audiovisual em Alagoas. Ano em que os editais locais apresentam um investimento recorde de R$ 15 milhões, total dos aportes investimentos pela Ancine em parceria com prefeitura de Maceió, governo do estado de Alagoas e Prefeitura de Arapiraca.

Os novos editais dão continuidade a política dos Arranjos Regionais, que em edições anteriores contribuiu para quebra de alguns paradigmas. A produção agora não se restringe apenas ao curta-metragem e aos tradicionais telefilmes (DocTVs), abraçando formatos mais ambiciosos, como longa-metragens e séries, além das experimentações em gêneros pouco explorados aqui, a exemplo da animação.

Nesse 2019 histórico, o movimento cineclubista também vive uma retomada, e comemora o primeiro edital voltado para a modalidade. Projetos de formação e de novos festivais ganham forma, acenando para um desenvolvimento que passa por todas as cadeias, de ponta a ponta. O momento é propício para celebrar a mostra que é dedicada completamente ao cinema feito em Alagoas.

ago 25, 2017 | Posted by | Comentários desativados
Premium Wordpress Themes by UFO Themes